Passarinhar...

Você está disposto a levantar antes do nascer do Sol para observar aves?

Nós sempre estamos!


Acordei com o coração acelerado, medo de estar atrasada, mas ainda faltavam 5 minutos para o despertador tocar, era 02h55min da manhã. Senti um baita alívio e a alegria brotou imediatamente. O gás havia acabado, mas isso não era um problema, pelo contrário, adoro pilotar o fogão a lenha. Fiz fogo e deixei a chaleira esquentando, enquanto preparava um mimo com queijo branco (produzido aqui mesmo no bairro do Serrano), arrumei a mochila com os materiais essenciais, livros, binóculos, câmera, lanterna, caixa de som, playback e jaqueta (o nascer do Sol é frio demais no topo das montanhas). Após o banho quente, a água na chaleira estava no ponto certo para evitar “queimar” o pó de café. Novamente revisei os materiais e segui rumo à pousada.


O céu estrelado convidava as pessoas a sair para a rua, mas a maioria não ouviu o chamado e eu estava sozinha na frente do “Canto da Lua”, aguardando Joana e Marcelo quando ouvi a “suindara” (Tyto furcata – American Barn Owl) vocalizar, neste instante soube que seria um dia mágico, pois não é freqüente ouvir essa coruja por aqui e muito menos passarinhar com esses amigos despretensiosos, que atraem espécies e momentos inesperados.


Já no carro, eu e Joana estávamos eufóricas, também, não nos víamos há tempos e seguimos o percurso em uma conversa animada, até que um “bacurau” (não consegui identificar a espécie) saiu da estrada como um raio. Paramos o carro e tentamos atraí-lo, mas as “aparições” foram rápidas demais e decidimos seguir nosso caminho para evitar estressar a ave e chegar ao topo do Serrano com tempo para apreciar o nascer do Sol.


Segui o percurso mais atenta, até parece que havia recobrado a consciência de que estava trabalhando e precisava cumprir os compromissos de “guia birding”. Ao chegar ao Belvedere, um vento frio anunciava a proximidade do outono, mas o café quentinho, o queijo branco com torradinhas, os primeiros raios solares e a sinfonia das aves acalentaram a alma e o corpo. E tudo isso foi apenas o início de um dia memorável onde registramos 63 espécies de aves (veja a lista completa aqui).


1 visualização

Todos os direitos reservados © 2020 por Rota das Araucárias

  • Envie um Direct
  • Avaliações